Caravana leva jovens rurais a perceber potencial das experiências agroecológicas

Caravana_ENA_JovensConcentrados na comunidade de Lagoa do Urubu, em Ouricuri, os 110 jovens participantes da “Caravana Agroecológica e Cultural das Juventudes do Nordeste – Rumo ao III Encontro Nacional de Agroecologia (III ENA)” apresentaram um pouquinho da identidade cultural das suas respectivas localidades. Essa foi a programação do primeiro dia da Caravana, nesta quarta-feira (25).  Os participantes vêm dos municípios de Pernambuco, Paraíba, Ceará, Bahia, Maranhão e Alagoas.  São filhos de agricultores familiares, com idade entre 14 e 25 anos, que nasceram e vivem em 80 localidades rurais, cuja principal fonte de renda é a agricultura.

A Caravana é uma ação de mobilização das populações rurais que provoca – através de visitas a experiências agroecológicas e projetos do agronegócio num mesmo território – reflexões sobre os modelos agrícolas e suas respectivas consequências na qualidade de vida das famílias agricultoras.

No segundo dia (26), os participantes da Caravana visitaram a experiência do grupo de jovens Renascer, em Riacho Queimado, distrito de Parnamirim. Depois seguiram para o assentamento Né Laranjeira, localizado na Fazenda Dourado, também em Parnamirim. Na oportunidade, os participantes conheceram tecnologias que captam e guardam água da chuva para produção de alimentos, como a cisterna-enxurrada e o barreiro-trincheira, implementadas pelo Cecor e Caatinga, organizações que fazem parte da ASA e atuam na promoção do desenvolvimento rural sustentável. No assentamento, as famílias também têm uma casa de sementes crioulas e um viveiro de mudas de plantas, além de um criatório de galinhas.

Caravana_ENA_Jovens_2Depois do almoço, foi a vez do grupo conhecer a história de Robson Gonçalves, que serviu de inspiração para nomear uma das cinco rotas da programação da Caravana. Embaixo do pé de umbuzeiro e acompanhados pela equipe do programa TV Patativa, da produtora TV Viva, eles e elas também ouviram atentos a história das famílias das localidades Riacho Queimado I e II , Alvacan, Rolo de Pau e fazenda Dourado.

Essas famílias, mobilizadas pelo projeto Riachos do Velho Chico, produziram 70 mil mudas de plantas nativas. Satisfeito com a visita, Robson falou sobre a produção de estacas, cercas, banco de sementes e da revitalização dos riachos. A visita terminou com um animado forró pé de serra.

Ontem (27), as rotas da caravana incluíram visita à feira livre do município de Granito, à comunidade Serra da Baixa, em Ipubi, à comunidade do Espírito Santo, em Trindade, à Feira do Gado, à comunidade Agrovila Nova Esperança e ao grupo de jovens de Santa Maria, em Ouricuri. As rotas passam por região com empreendimentos do agronegócio que provocam grandes impactos ao meio ambiente, como o Polo Gesseiro, e também por iniciativas de convivência com o Semiárido, como os sistemas produtivos agroecológicos na região, as feiras dos produtos agroecológicos, a produção de algodão agroecológico, unidades de beneficiamento, dentre outras experiências.

As caravanas permitem observar e vivenciar as experiências agroecológicas em suas dimensões econômicas, sociais, ambientais e culturais e as ameaças ao seu desenvolvimento. Várias mobilizações como essa acontecem desde maio de 2013 como eventos de preparação para a realização do III Encontro Nacional de Agroecologia, que será realizado de 16 a 19 de maio, em Juazeiro da Bahia, e deve reunir cerca de duas mil pessoas.

A Caravana Agroecológica e Cultural das Juventudes do Nordeste – Rumo ao III ENA é uma realização da Rede Ater Nordeste, Articulação Nacional de Agroecologia (ANA), Articulação Semiárido (ASA), Associação em Área de Assentamento no Estado do Maranhão (Assema), Centro de Assessoria e Apoio aos Trabalhadores e Instituições Não Governamentais Alternativas (Caatinga), Centro de Estudos de Trabalho e de Assessoria ao Trabalhador (Cetra), Centro de Desenvolvimento Agroecológico Sabiá, ActionAid e  Terre des Hommes Schweiz.

Por Kátia Gonçalves – comunicadora popular da ASA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*