AGROECOLOGIA EM REDE | A ferramenta que nasceu para olhar “tecnologias alternativas”, já foi um “banco de tecnologias apropriadas” e acabou se firmando como uma plataforma de catalogação de experiências pelos sujeitos que as protagonizam, começa um novo ciclo neste IV ENA.

Nessa travessia para seus 18 anos o AeR está prestes a viver um novo salto. Talvez o maior até então.

Ir além de uma ferramenta de identificação de iniciativas e oferecer atividades chave no campo da tecnologia de informação e comunicação que apóiem os processos de construção, articulação e sistematização das redes nos territórios.

Para construção desse salto está aberto um diálogo com uma dezena de iniciativas de mapeamento que surgiram nos últimos anos. Além da consolidação da parceria com a Fiocruz para que o AeR possa representar a sinergia entre “Saúde e Agroecologia”.

Após o IV ENA vamos intensificar esse processo de desenvolvimento participativo que vislumbra ainda a ideia do AeR chegar aos 18 anos com maior autonomia: propor uma dinâmica para que a ferramenta se sustente de forma colaborativa e solidária a partir do uso pelo movimento agroecológico, com estrutura permanente de gestão, comunicação e suporte.

Amanhã, na programação do IV ENA, também conversaremos sobre esse processo coletivo de renovação do Agroecologia em Rede, no Seminário Redes de Agroecologia (Sistematização da Experiências do Ecoforte) às 9 horas na tenda 2 e na Feira de Sabores e Saberes, não perca!

Até pelo celular, você já pode navegar pela plataforma, consultando as experiências cadastradas: http://www.agroecologiaemrede.org.br/